Sessão BizaRock

SESSÃO BIZAROCK

Terror, bizarrices e muito Rock N' Roll na nossa sessão BizaRock! Clique na imagem e confira!

Slide # 2

COMO TIRAR FOTOS DE FANTASMAS

Quer saber como capturar um fantasma em foto? Leia o nosso guia e aprenda!

Slide # 3

SAD SATAN, O JOGO DEMONÍACO DA DEEP WEB

Conheça o jogo Sad Satan, um game apavorante que surgiu na Deep Web e está deixando os internautas de cabelo em pé.

Slide # 4

SANATÓRIO DE WAVERLY HILLS

Conheça o assombrado sanatório de Waverly Hills, alvo de investigações e motivo de pavor para muitos americanos.

Slide # 5

SESSÃO BY CLAIRE THOUSAND'S

Leia contos, creepypastas e outros trabalhos de autoria da autora do blog.

domingo, 5 de novembro de 2017

'Caça-fantasmas' buscam fenômenos paranormais em museus de Ribeirão Preto

Rosa Maria usa instrumentos para captar energias no museu (Foto: Reprodução/EPTV)

Relatos de histórias com fantasmas em lugares antigos mexem com a imaginação de qualquer pessoa. Por isso, esses locais atraem estudiosos de fenômenos sobrenaturais, como o casal Rosa Maria Jaques e João Tocheto de Oliveira, conhecidos como os caça-fantasmas brasileiros. Eles escolheram os museus do Café e Histórico, em Ribeirão Preto (SP), para explorar o invisível no programa que mantêm em um site de vídeos na internet, em que aparecem percorrendo todo o país atrás de histórias fantasmagóricas.

Rosa Maria é médium e paranormal e Oliveira a acompanha em uma investigação pelas emoções impregnadas nos ambientes. Antes de começar a aventura em busca do sobrenatural, o casal prepara os instrumentos que vão usar durante a caçada. Medidores de temperatura e do campo eletromagnético, câmeras com visão noturna e com sensor de movimento e lanternas a laser são instaladas em todo o museu.

Uma pequena câmera é colocada no peito de Rosa para registrar conversas com possíveis fantasmas. “Muitos equipamentos industriais foram adaptados para essa procura, colocamos os aparelhos em locais onde não há energia elétrica e a ciência diz que se algum deles tocar, é por alguma coisa tem naquele determinado lugar”, explica Oliveira.

Histórias
Os prédios ficam em um terreno onde há 100 anos funcionava a sede da Fazenda Monte Alegre, de Francisco Schmidt, conhecido como o Rei do Café. O local é carregado de histórias contadas pelos funcionários. O diretor responsável pelos Museus do Café e Histórico, Daniel Basso, lembrou-se de um famoso episódio. Segundo ele, várias vezes ele e outros funcionários escutaram o barulho de uma jaca caindo no chão e quando vão até a jaqueira não tem nada no chão.

“É um barulho muito forte, eu já ouvi várias vezes”, contou. Há cerca de um mês, Basso lembra que aconteceu mais um fato curioso, quando trabalhadores trocavam a iluminação do terreno. “Me ligaram para vir aqui para alguns testes. Quando cheguei, queriam saber quem estava dentro do prédio do museu, pois tinham duas mulheres brigando lá dentro. Eu também ouvia os gritos delas se xingando, mas o local estava vazio”, comentou impressionado.

Luiz Giácomo Polo, ex-funcionário dos museus relembrou algumas histórias de arrepiar vividas por ele durante os 25 anos de trabalho no local. “Uma vez eu estava no jardim, era por volta de nove horas da manhã, me virei e vi uma mulher bem gorda, não consegui ver a feição dela direito, mas ela estava com as mãos para trás e me olhando. Quando eu cheguei perto, eu me assustei e não a vi mais. Queria ter perguntado o que ela estava fazendo ali”, contou. Quando Polo trabalhava de vigia à noite, ele afirma que chegou a ouvir barulhos de passos, e em outra ocasião viu um homem passando perto do banheiro feminino, que fica na parte de cima do terreno.

Grupo estuda fenômenos paranormais e faz buscas por museus de Ribeirão Preto (Foto: Reprodução/EPTV)

A visita
Com tudo pronto para o passeio, Rosa e Oliveira começaram a visita pelo Museu Histórico passando por vários cômodos. Logo no começo da aventura, próximo a uma exposição com várias fotos antigas, os aparelhos que medem o campo eletromagnético começaram a apitar e a dar indícios de que havia algo por ali. “Quando tiraram essas fotos, as emoções ficaram. Naquela época a fotografia era um acontecimento, era uma vaidade sem fim”, explicou a paranormal.

Durante todo o percurso pelo museu, o aparelho demonstrou que o local tinha uma carga energética muito grande e que todas as emoções vividas ali foram muito fortes e ficaram impregnadas. Quase no fim da visita pelo Museu Histórico, mais uma surpresa. Um relógio que, segundo o diretor, não funcionava, começou a girar. “Estou há oito anos trabalhando nos museus e nunca tinha visto esta peça funcionar”, relatou Daniel Basso.

Os caça-fantasmas terminaram o percurso nos porões dos museus com um contato surpreendente: o do próprio Francisco Schmidt, antigo dono do terreno. Os aparelhos faziam muito barulho e acendiam todas as luzes quando o casal e o próprio diretor do museu falavam o nome dele.

E para quem acha que o lugar é mal assombrado, Rosa explica que isso não é verdade, que os museus apenas vibram sua essência e história. “Nós encontramos várias energias aqui, elas ficaram impregnadas, foram emoções muito fortes. Antigamente o apego era muito grande, as personalidades de quem vivia aqui eram muito fortes. Mas não tem nada de ruim e nada de negativo”, disse.

No site do G1, há um vídeo com a reportagem completa. Clique aqui para assistí-lo.

Fonte: G1

Tenha bons sonhos, se puder...

0 comentarios:

Postar um comentário